Sobre o

Estado de Flow

PHILIPE MARTINS

Planejamento e Co|criação

Estados de Flow são associados com o ponto alto da performance humana. Tecnicamente é definido como um estado ideal de consciência. São momentos de atenção focada e absorção total em que ficamos tão imersos na atividade que todo o resto desaparece. Nosso sentimento do “eu”, nossa porção “auto-crítica” e até mesmo o tempo se prova relativo e “passa” em uma velocidade diferente.

Nos últimos 20 ou 30 anos aprendemos mais sobre o funcionamento do nosso cérebro do que toda a ciência antes disso tinha aprendido. Scanners magnéticos passaram a permitir um entendimento em tempo real do que acontece quando estamos em flow. E, ao contrário do esperado, não ficamos com mais áreas do cérebro ativadas, mas menos. Mais especificamente, o nosso córtex pré-frontal (aquela parte que veio depois e nos distingue entre dos outros animais) apaga e abre espaço para outras regiões do cérebro nos levarem.

 

 

 

 

“Em estado de flow, cada decisão, cada ação, leva de maneira perfeitamente fluída a próxima.”

Steven Kotler

Nessa entrevista Steven Kotler e Jason Silva dão uma breve aula sobre o assunto. Um dos principais pontos que eles tocam é a importância de desligar a parte auto-crítica do cérebro. É esse “desligamento” que nos deixa fluir sem racioanalizações exageradas e permite que mais de nós mesmos aflore uma vez que alguns dos filtros que temos não estão ativos.

. . .

Hoje é normal escutarmos a palavra flow associada a muita coisa. Atletas de esportes radicais quebrando recordes, flow. Músicos improvisando, flow. Meditação profunda, flow. Mas, qual a origem do termo?

Vem da pesquisa do Mihaly_Csikszentmihalyi, que cunhou o termo na psicologia a partir da descrição de participantes nos estudos das suas experiências. No trabalho chamado Flow: The Psychology of Optimal Experience (que me parece melhor traduzido como Flow, a psicologia da experiência otimizada), ele explica flow como “um estado de concentração e completa absorção na atividade e na situação”.

 

O interessante é notar que ele listou 6 fatores fundamentais para a criação/presença de flow e todos são comprovados pela neurociência. Ele lista:

  • Concentração intensa e focada no presente
  • Fusão de ação e consciência
  • Suspensão da auto-crítica
  • Sentimento pessoal de controle ou inferência sobre a situação
  • Distorção da experiência temporal
  • Subjetivamente perceber a experiência como intrinsicamente recompensadora

Acima a imagem mostra os estados mentais em termos de desafio e nível de capacidade de acordo com o modelo de flow proposto por Csikszentmihalyi. Diametralmente oposto à apatia e entre a excitação e o controle entramos em flow.

 

Um dos desafios do Flowlab para mim é explorar formas de harmonizar estímulos sobre conhecimentos de formas fluídas. Ou seja, como transmitimos conhecimentos a partir da interação fluída?

Uma parte, ainda sobre o trabalho do Mihaly –  ele é muito referência no tema, não tem como fugir de falar do cara – que nos interessa especialmente é a ideia de Group Flow. Ele explica que em como momentos em que grupos cooperam para concordar em objetivos e padrões, o fluir social, conhecido como coesão de grupo, é muito mais provável de surgir.  Alguns dos contextos que levam (ou podem levar) a isso incluem: espaços criativos, onde grupos trabalham juntos e se movimentando; áreas de criação e visualização conjunta; entre outros.

 

. . .

Mihaly Csikszentmihalyi

Estados de flow são potenciais da experiência humana. Está a nosso alcance todo o tempo, bastando que conheçamos o suficiente como funcionamos e criemos o ambiente adequado. Estimular os sentidos, harmonizar atividades e capacidades, facilitar processos de aprendizagem… existem milhões de aplicações óbvias e práticas para pesquisar e explorar a criação de flow nos espaços que criamos. Se aprendermos a dominar este nosso estado natural, não posso nem imaginar o quão produtivo pode ser nossa existência aqui.

. . .

#refs

Só pra deixar duas referências massa sobre o assunto aqui junto de registro:

PHILIPE MARTINS

Planejamento e Co|criação

Acredita que a mudança no mundo deve começar dentro de cada um. Pesquisador, vê nas boas perguntas o caminho pra encontrar as melhores respostas.

Pin It on Pinterest